Nunca entendi muito bem a coerência de certas divisões. Bem vistas as coisas, nem sequer discordo com o princípio divisor a que fomos chegando por eliminação, bom senso, tentativas e erros ou, simplesmente, maioria de razão. Acho, aliás, que tudo na vida devia seguir a mesma lógica das canalizações: da porta da rua para dentro, passam a ser coisa nossa que a mais ninguém diz respeito. Só não entendo porque é que o mesmo não se aplica a tudo o resto. Convém, pois esclarecer: não é o princípio acordado que me incomoda, é o desacordo na coerência da sua aplicação.

Posto isto, o resto da tarde fica para encontrar um canalizador que rapidamente trave a inundação que alagou o banheiro e me proporciona, desde madrugada, um lago no lugar do chão onde antes havia uma ilha em forma de tapete.

Anúncios